segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O mundo parece ser feito apenas de coisas que a gente vê nele. Mas há outras que não vemos, embora existam. São as coisas que lemos. Elas estão escondidas no meio das letras. É preciso ler para que elas apareçam diretamente em nossas cabeças.
Se não lemos, todas essas coisas que estão guardadas nos livros não aparecem para nós. Quem não lê, só vê uma parte das coisas do mundo. E não consegue conhecer tudo.
Muitas vezes, no meio da conversa, ouvimos falar de uma pessoa ou de uma história que o amigo conhece de leitura. Quem não leu ficou de fora. Por isso que nossos alunos fizeram uma atividade com o livro sugerido.
Queremos que nossos alunos conheçam não o que está na sua frente, mas dentro dos livros, poderão viajar sem levantar da cadeira, conhecer gente muito interessante sem precisar conviver com ela. vai rir e até chorar com histórias de pessoas que só existem nos livros.

Adaptação do texto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO







AS PROEZAS DE JOÃO GRILO
João Grilo, personagem central de "O AUTO DA COMPADECIDA" é um "amarelinho" muito do sabido, que veio da Península Ibérica e chegou aqui no Brasil através dos contos tradicionais, sendo absorvido de imediato pela Literatura de Cordel. João Ferreira de Lima, um poeta pernambucano, escreveu no final da década de 1920 o folheto de oito páginas intitulado "AS PALHAÇADAS DE JOÃO GRILO", que seria posteriormente ampliado para 32 páginas por DELMARME MONTEIRO, sob a orientação do editor JOÃO MARTINS DE ATHAYDE, tornando-se o que hoje conhecemos como "AS PROEZAS DE JOÃO GRILO", um dos maiores clássicos da Literatura de Cordel. No site "BACIA DAS ALMAS" (http://www.baciadasalmas.com/), do designer PAULO BRABO।








Literatura de Cordel na Feira de São Cristóvão, Rio de Janeiro, 1999.


Alunos escolheram uma passagem do livro para ler, digitar e ilustrar.





Aryane de Sousa Rodrigues Turma- 402

Proezas de João Grilo



João Grilo em qualquer escola





Chamava ao povo atenção



Nunca faltou com a lição





Era um tipo inteligente



No futuro e no presente



João dava interpretação.














Página 11/12 Matheus e Gabriel Turma 402










Na noite que João nasceu



Houve um eclipse na lua;




E detonou um vulcão


Que ainda hoje continua



Naquela noite correu



Um lobisomem na rua.






Assim mesmo ele criou-se



Pequeno,magro e sambudo,



As pernas tortas e finas



A boca grande e beiçudo



No sítio onde morava



Dava notícia de tudo.





Não jogue a chance de saber mais.
Não fique de fora!

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

IDEB

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) foi criado em 2007 pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) e representa a iniciativa de reunir num só indicador dois conceitos de grande importância para a qualidade da educação, fluxo escolar e médias de desempenho nas avaliações.
O Ideb também é uma ferramenta para acompanhamento das metas de qualidade do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) para a Educação Básica. O PDE estabelece como meta que em 2022 o Ideb do Brasil seja 6,0 – média que corresponde a um sistema educacional de qualidade, comparável ao de países desenvolvidos.
Ele é calculado com base na taxa de rendimento escolar e no desempenho dos alunos no SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) e na Prova Brasil.
O aumento nas notas que os estudantes obtiveram na Prova Brasil explica 64% desse crescimento, enquanto os outros 36% são decorrentes da melhora nas taxas de aprovação। No caso do ensino médio, o Ideb do Brasil avançou de 3,5 para 3,6, superando a meta nacional de 2009. O crescimento na faixa ocorreu fundamentalmente em razão do desempenho dos estudantes, que contribuiu com 57,9% do aumento do indicador.


veja a classificação de sua escola!IDEB

http://sistemasideb.inep.gov.br/resultado/


sexta-feira, 30 de setembro de 2011

PROJETO TROCANDO IDÉIAS ATRAVÉS DOS SENTIMENTOS PASSO A PASSSO NA ESCOLA

Colégio Municipal Senador Teotônio Vilella

Itaguaí, 01 de setembro de 2011.

Turmas -301 Professora Sônia

- 302 Professora Gisele

5º etapa

O Tocar

Os alunos deverão vivenciar o manuseio do computador, através de elaboração de mensagens eletrônicas. O texto deverá ser elaborado no coletivo e seu envio poderá ser feito através do computador da escola, se necessário.

Atividade compartilhada com a Escola Municipal Coronel Alziro Santiago

video


Devemos cuidar do nosso planeta porque ele é nosso meio ambiente e precisamos viver com saúde. Temos que tratar do nosso lixo para não poluir o lugar que mora

mos e reciclando estaremos deixando o mundo melhor.

Muitas coisas podemos fazer para cuidar do

planeta, cuidando do óleo de cozinha para reciclar, não jogar lixo nas ruas para não entupir os bueiros e poluir o mar para não prejudicar os animais que vivem lá.

Muitos animais moram em florestas e precisam das árvores para morarem e se acontecer queimadas não terão mais onde viver.

Texto produzido pelas turmas 301 e 302


A aluna Carina Melo lembrou de como é importante não jogar óleo na pia, pois no vídeo mostra como ele é prejudicial para o meio ambiente.


Sthefany e Bianca assistiram o vídeo e desenharam como podem ficar as casas localizadas em áreas de risco nas encostas de morros sem a proteção de árvores.

Frase de Camila Moraes- Precisa ter árvores para não haver deslizamentos.





A aluna Dayene também lembrou do desmatamento e como ele deixa milhares de animais sem abrigo, sem seu habitat.

A aluna Rayene da turma 302 através do desenho reproduziu o mar sem poluição.

Frase – O meio ambiente tem que ficar limpo!




quinta-feira, 16 de junho de 2011

Jornal Teotônio Vilella "Alô Galera e Galerinha"






Homenagem ao Centenário dos povos afro descendentes;
Entrevista com a professora Eliane Rangel;
Culinária;
O lado artístico dos alunos;
Poesias;
Dicas de beleza e estética,
e uma entrevista com a diretora adjunta Tuane Lopes dos Santos.


O jornal tem a direção da Professora Gissele Fialho

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Bullying.


Bullying é um termo da língua inglesa que significa valentão, que se refere a agressividade, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, a qualquer lugar e a qualquer hora isso pode está acontecendo com qualquer pessoa, e isso é muito conhecido internacionalmente, esse assédio contra vitimas de Bullying pode acontecer com um ou mais indivíduos. Essa pratica maliciosa afeta muito com traumas e decisões muito ruins. O Bullying é considerado crime e pode ser denunciado e o autor da pratica pode ser concedido a dar uma indenização a vitima

"Acossamento", ou "intimidação" ou entre falantes de língua inglesa Bullying é um termo frequentemente usado para descrever uma forma de assédio interpretado por alguém que está de alguma forma, em condições de exercer o seu poder sobre alguém ou sobre um grupo mais fraco. O cientista sueco - que trabalhou por muito tempo em Bergen (Noruega) - Dan Olweus define assédio escolar em três termos essenciais:
  1. o comportamento é agressivo e negativo;
  2. o comportamento é executado repetidamente;
  3. o comportamento ocorre num relacionamento onde há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.
O assédio escolar divide-se em duas categorias:
  1. Assédio escolar direto;
  2. Assédio escolar indireto, também conhecido como agressão social.
O bullying direto é a forma mais comum entre os agressores (bullies) masculinos. A agressão social ou bullying indireto é a forma mais comum em bullies do sexo feminino e crianças pequenas, e é caracterizada por forçar a vítima ao isolamento social. Este isolamento é obtido por meio de uma vasta variedade de técnicas, que incluem:
  • Espalhar comentários;
  • Recusa em se socializar com a vítima;
  • Intimidar outras pessoas que desejam se socializar com a vítima;
  • Ridicularizar o modo de vestir ou outros aspectos socialmente significativos (incluindo a etnia da vítima, religião, incapacidades etc).
O assédio escolar pode ocorrer em situações envolvendo a escola ou faculdade/universidade, o local de trabalho, os vizinhos e até mesmo países. Qualquer que seja a situação, a estrutura de poder é tipicamente evidente entre o agressor (bully) e a vítima. Para aqueles fora do relacionamento, parece que o poder do agressor depende somente da percepção da vítima, que parece estar a mais intimidada para oferecer alguma resistência. Todavia, a vítima geralmente tem motivos para temer o agressor, devido às ameaças ou concretizações de violência física/sexual, ou perda dos meios de subsistência.